P1000463

Maio 2012 – Travessia no Caribe e Costa Rica(10ª Viagem)

Eu dividi a viagem Caribe 2012 em 5 etapas

1ª – Etapa – Vulcão Poas até os Crocodilos
2ª – Etapa – Travessia na Costa Rica
3ª – Etapa – Nicarágua
4ª – Etapa –  Roatan
5ª – Etapa – El Salvador

 

Participantes 

1          LUCIA TRILLO – São Paulo – SP
2          LUIZ ANTONIO TRILLO – São Paulo – SP
3          VANIA OTTONI – São Francisco do Sul – SC
4          DANIELA ZIMMERMANN – São Francisco do Sul – SC
5          CÉLIA OTTONI – Joinville – SC
6          RUBENS DE LIMA – Joinville – SC
7          ELIETE CABRERA – Curitiba – PR
8          JORGE ENRIQUE CABRERA  – Curitiba – PR
9          CELINA FORMENTINI – São Paulo – SP
10        LUCIA CHRISTINA IOCHIDA – São Paulo – SP
11        RENATA FERNANDES – Curitiba – PR
12        LEILA BARANHUK – Curitiba – PR
13        MARINA KREUGER  – Itajaí – SC
14        IZABEL KOERNER   – Florianópolis – SC
15        CILMERY OLIVEIRA – Maceió – AL
16        ALDEMAR CASTRO – Maceió – AL
17        CÉLIO AMARAL – Curitiba – PR
18        JORGE MAYERLE – Joinville – SC
19        HENRIQUE KREUGER  – Itajaí – SC
20        RIZARD KOWALSKI  – Curitiba – PR
21        MARCELO BRANDÃO – Blumenau – SC
22        RODRIGO LOBO – Rio de Janeiro – RJ
23        ANA CAROLINA  ZANANDRÉIA  – Florianópolis – SC
24        KARINA BONATELLI – Florianópolis – SC
25        JEFERSON SILVEIRA – Biguaçu – SC
26        MARCOS PINHEIRO – Florianópolis – SC
27        MARCUS AUGUSTO PINHEIRO – Florianópolis – SC
28        LÉIA DEMÉTRIO – Florianópolis – SC
29        RICARDO – Porto Alegre – RS
30        CRISTIAN DONADEL – Florianópolis – SC


1ª – Etapa – Vulcão Poas até os Crocodilos
 

Dia 9 de maio de 2012 – Embarque para São Paulo.
Embarcamos para São Paulo, Eu, Léia, Marcus Augusto, Karina e Jeferson. No aeroporto de Floripa, já tivemos que fazer um transplante de  “moambas”, porque passaria do peso máximo. O “ pobrema” é que estamos levando as toucas para a Travessia na Costa Rica, toucas e camisetas para a Travessia em Roatan,  e mais algumas para a “brima” vender na “luchinha”, além de boias, lonas e medalhas.
Colocamos o que era mais pesado na barragem de mão, por sorte, o peso deu exato, não pagamos excesso de bagagem.
Com um céu de brigadeiro, fomos brindados até São Paulo, um dos passageiros, que eu só vou falar a primeira letra, Jeferson Silveira, marinheiro de primeira viagem, viajou abraçado no saquinho de vo……, que para nooooossa alegria  não foi usado!!!
Em São Paulo: Começaram a chegar os viajantes, Marcelo de Blumenau, Renata de Curitiba, Aldemar e Cilmery de Maceió, Ana e Izabel de Floripa, Lucia de São Paulo, Rubens e Célia de Joinville, Daniela e Vania de São Francisco do Sul.
Alguns foram dormir no hotel, outros estão esperando no aeroporto, pois temos que nos apresentar às 3 horas da manhã.
A Cilmery perguntou ao Aldemar, 5 minutos antes de nos encontrar,  se ele nos conhecia, pois ela, tinha certeza que já eram pessoas conhecidas, para surpresa dela, ele disse que não conhecia.
Nós só temos a agradecer o Aldemar, a Cilmery, a Lucia e a Celina, que não nos conheciam e pelo histórico visto na internet e nas provas que realizamos, gerou a confiança necessária para eles confiarem em nosso trabalho.
O Marcus Augusto dorme tranquilamente….
23:09h

Dia 1 – 10 de maio – Quinta feira -São Paulo para San José – Costa Rica.Chegaram todos, no momento do embarque tivemos problema com o cartão de vacina da Léia, tivemos que ficar!!! A historia é muito longa, conto depois. Acabamos comprando novas passagens e fomos as 11:55h com a Copa.Uma parada, desejada e inesperada no Panamá! Umas comprinhas foram feitas, principalmente um brinquedinho pro Marcus Augusto. As 19h, desembarcamos em San José, o amigo Fernando Madrigal estava a nossa espera. Depois de 6 anos, nossos filhos, que tem a mesma idade se conheceram! Cantamos parabéns(cumpleaños) pelo aniversario do Marcus Augusto. Nossa estadia na casa dos amigos seria muito rápida, mas, após uma ligação para a Karina, fiquei tranquilo em saber que a maioria estava dormindo e outros saíram para passear.

Dia 2 – 11 de maio – Sexta feira – San José \ Papagayo
Ao acordar fomos recebidos com muita alegria pelos companheiros de viagem, nos preocupado com eles e eles com a gente!!! Foi uma                                                                                                                                     surpresa para muitos, chegamos!
Após uma breve passada na gerencia comercial da rede Occidental, seguimos para o Vulcão Poas.
Um belo dia proporcionou a todos uma visão geral da cratera, o Poas estava com pouca atividade, diferente dos demais vulcões dos outros vulcões da Costa Rica estavam bem nervosos.
Na descida do Vulcão, uma parada obrigatória para tomar o melhor suco de morango do mundo, e um tradicional prato, o casado.
Todos de barriguinha cheia, seguimos para nossa maior viagem por terra, até o norte da Costa Rica, local da Travessia. No meio do percurso, um desvio para ver o crocodilos gigantes do Rio Tárcoles! Foi oferecido 1000 dólares para quem atravessasse o rio nadando, mas ninguém quis ganhar o dinheirin….

Com os crocodilos, finalizamos a primeira faze da viagem!

2ª – Etapa – Travessia na Costa Rica
Uma longa viagem de San José até o Hotel Allegro Papagayo, sede do evento. A entrega de kits na recepção do hotel, já nos remetia ao clima de competição. Entregamos as toucas, trazidas do Brasil.
O hotel fica lotado de nadadores, um clima de festa e confraternização.

Dia 3 – 12 de maio – Sábado – Travessia do Papagayo
No dia 12, aniversario do Marcus Augusto.
Fomos todos para a recepção, quem nadaria 7 km e o primeiro de cada revezamento, segue de ônibus ate o local de largada, os demais integrantes do revezamento, ficam um em cada barco. Eu, a Léia e a Izabel, fomos de ônibus, porque acompanharíamos o grupo com caiaques.
Um belo dia, céu de brigadeiro e um mar sem ondas de almirante, com visibilidade de 10 metros, brindava os participantes do Cruce del Papagayo.
Montamos um equipe de revezamento mais forte e outras 3 de participação, a Daniela, o Célio, o Jorge e a Lucia fizeram os 7 km individual. Eu fiquei com a Dani, acompanhei ela até faltar 1,5 km da chegada, fiquei também todo o tempo, olhando o Célio de longe. A Léia e a Izabel, ficaram com os revezamento sem experiência.
Para nossa surpresa nossa melhor equipe de revezamento ficou em segundo lugar, com a Ana, o Henrique, o Rodrigo e o Ryzard.
O Célio ficou em segundo na categoria 50 mais, sendo ele 2 categorias acima e o Jorge ficou em terceiro na mesma categoria.
A Daniela ficou em sexto no geral feminino e a Lucia Trillo ficou em primeiro na categoria acima de 50 anos.
Como eu fiz nos outros anos, uma bandeira do Brasil, junto com a da Costa Rica, na hora do pódium, fez a festa! Fomos muito aplaudidos.
Achávamos que a Dani não receberia troféu, mais uma festa, ela foi chamada no pódium!!!
Para (nossssssa alegriaaaaaaa) eu fui homenageado pela organização pelos 5 anos levando atleta e colaborando com a prova.
Foi sorteada uma moto por um patrocinador, nosso grupo já discutia como fazer com a moto se alguém do grupo ganhasse. Após varias possibilidades… Ganhou um nadador da Costa Rica.
A tarde fomos jogar vôlei na piscina! A comida estava ótima, o gayo pinto, comida típica da Costa Rica, arroz feijão pela manha, já começava a fazer parte do cardápio de todos.
Eu estava esperando uma noticia de El Salvador, porque descobri que na segunda feiras todos os sítios arqueológicos do Pais, estariam fechados.
Mandei email até para a primeira dama do pais que é brasileira.
Abri os emails, e recebi uma mensagem de uma senhora, da Secretaria de Cultura da Presidência da Republica, dizendo que eles abririam uma exceção e nos poderíamos visitar os sítios Joya de Ceren e San Andrés.
Não contive a emoção de uma batalha vencida.
Um bolinho para comemorar os aniversários, do Marcus Augusto e da Daniela, que seria dia 13.
A noite uma festa na praia, animou os mais empolgados.

Dia 4 – 13 de maio – Domingo – Travessia do Papagayo
O fuso horário fazia a todos acordar cedo, as 6:30h, acreditei ser o primeiro na praia, já estavam, Celina, Lucia e Daniela. Caminhando pela praia, vimos muitos peixes, vi também o que parecia ser um cardume de pequenos tubarões, fiquei quieto para não assustar as meninas, até buscar a informação correta!
Por sorte descobrimos que era atum!
Reencontramos o Ronald, simpático nadador, professor de Historia, fan numero um do Giovani, que por duas vezes esteve na Costa Rica.
O bem estar de todos é nosso principal objetivo com a viagem, mas obtivemos ótimas participações nas provas de 1500 e 3000 metros.
Célio em primeiro e Rizard  em segundo na categoria 60 mais, a Daniela ficou em quarto no geral e primeiro na categoria 14 anos, prova de 3000 metros.
O Marcelo foi o segundo na 40- 44, e a Ana foi a primeira na 20-24, na categoria 50 mais, obtivemos os 3 primeiros lugares, com a Lucia, Celina e a Leila. Na categoria 55 – 59, o Jorge ficou em segundo. Na categoria 30-34 da prova de 1500 metros, a Merina ficou em terceiro, a Renata ficou em sétimo e a Cilmery em nono. A Lucia ficou em primeiro na categoria 55-59, na 40-44, o Jeferson ficou em sétimo. Na categoria 60 mais, o Henrique foi o primeiro e o Jorge foi o segundo.
Perguntei o valor das boias, também se era fácil deles comprarem outras, acabei comprando 4 boias.
A missão da Travessia foi cumprida, agora era só curtir, nas piscina do hotel.
Fizemos a distribuição dos nome do amigo invisível, um mistério a vista, apareceram 31 papeis, mas éramos 30, depois de alguns suspeitos, apareceu a Celina sem o papel, mistério desfeito!
A noite, durante um show de uma ótima banda ao vivo, nos, os brasileiros, dominamos a cena, o Leleco comandava as coreografias!!!!
Fechamos com chave de ouro nossa estadia no Hotel Allegro Papagayo.

3ª – Etapa – Nicarágua

Dia 5 – 14 de maio – Segunda – Costa Rica – Nicarágua
Últimos momento no Hotel Allegro Papagayo, Transporte, todos na recepção, esperando o ônibus que nos levaria para a Nicarágua. Um pouco de atraso em função de um caminhão quebrado, não tirou o animo de ninguém. O micro ônibus chinês, parecia pequeno, mas entramos todos e as bagagens. Yamal era nosso simpático e eficiente motorista, logo na saída ele consegui ver um pássaro, o Guarda Barranco, ave símbolo da Nicarágua. Em uma hora e meia estávamos em Peñas Blancas, fronteira norte da Costa Rica e sul da Nicarágua. Muitos caminhões ocupavam todos os espaços. Passagem rápida pela aduana da Costa Rica, na Nicarágua, uma hora de espera considerei um tempo curto. A fome era grande, mas todos estavam esperando a ótima comida em San Juan del Sul. Lagosta e camarão apanizado(empanado ou a milanesa) foram as pedidas da maioria.  Um sorvete, uma caminhada pela praia foram nossa despedida de San Juan del Sur.
Com mais uma hora e meia, estávamos na bela cidade de Granada. O Hotel escolhido por si só era uma atração, um antigo mercado foi transformado em uma espetacular ambiente, logo na chegada fotos direto para a piscina, que estava com 30 graus, sem aquecimento!!!!

Dia 6 – 15 de maio – Terça – Granada (Nicarágua)
A programação para o dia 15 era uma caminhada no parque no Vulcão Masaya, mas no inicio de maio teve uma grande erupção, por isso o parte estava fechado.
O Aldemar descobriu em Masaya, a Laguna de Apoio.
A programação era ir para o Mercado de Artezanias de Masaya e depois a Laguna de Apoio.
Eu quis proporcionar a experiência de andar de chiken bus. Quando os primeiros mochileiros chegaram na América Central, descobriram que as pessoas levavam tudo nos ônibus, porcos, galinha, papagaio. Os antigos ônibus escolares dos Estados Unidos, viram o principal meio de transporte em todos os países. Dai vem o apelido de chiken bus, ônibus de galinha.
Entramos todos em um desses ônibus, o valor era de aproximadamente 20 centavos de real. Uma viagem de 30 minutos bem tranquilos, nossos companheiros ajudaram as pessoas a subir e descer as compras.
Todos ficaram impressionados com o Mercado de Artezanias de Masaya, muita variedade e qualidade, com destaque para madeira e couro. A pedida para o almoço era a desconhecida Laguna de Apoio. Nosso descobridor foi antes, e nos perdemos dele, acabamos parando em um restaurante com uma vista espetacular, com uma ótima comida.
Na volta a granada fizemos um city tour em granada com o Edgar, um guia que fala português ,indicado por nosso motorista.
Os destaques do guiamento, foram, uma casa onde morou Giuseppe Garibaldi, e as historias de William Walker, que se intitulou presidente da Nicarágua, e colocou fogo na cidade de Granada. . Janta no hotel, uma festinha surpresa para mais uma aniversariante, dona Vania cumprindo suas 86 primaveras. Após a janta, piscina outra vez!!!!

Dia 7 – 16 de maio – Quarta –  Nicarágua \ Roatan ( Honduras )
Todos ansiosos para seguir viagem, acordaram cedo, como o café era só as 7, um grupo já rodeava o café, em poucos minutos o atendente, ligou para a recepção e disse: – Mandem reforço porque estão invadindo o café da manha antes do tempo!!!!! (muitos risos).
Malas no ônibus, partimos para Managua, o Edgar nos encontrou em Masaya, tivemos uma aula sobre a historia da Nicarágua, uma parada na antiga catedral, destruída pelo terremoto de 1972.  A ultima visão de Managua foi no alto de um mirante. Encerramos nossa estadia na Nicarágua com a visão de que um povo sofrido, se recupera de turbulências climáticas e politicas e que o turismo ajuda o crescimento do pais, acreditamos ter colaborado.
Embarque tranquilo no ótimo aeroporto de Managua.

 

4ª – Etapa –  Roatan
Um voo suave a bordo de um ATR 42, com 48 lugares, discretamente pedi a comissária, o piloto fez uma saudação ao grupo! Nos praticamente lotamos o voo, uma família de peruanos também estavam no avião, acabaram ficando nossos amigos.
Chegada comemorada em Roatan e no Fantasy Island, bagagens nos quartos e o primeiro banho no Caribe.
A comida estava muito melhor que no ano anterior.


Dia 8 – 17 de maio – Quinta – Roatan
Dia sem programação, os desbravadores, Célio, Henrique e Jorge, foram para West End, o estremo oeste da Ilha de Roatan.
Mais um aniversario, Luís Trillo de São Paulo. Um grupo estava no saguão do hotel, entre ele a Lucia, esposa do Luís, vimos uma pessoa de costas, sentado em uma poltrona, não tivemos duvidas, cercamos e cantamos parabéns, não era o Luís, o senhor muito simpático disse que não estava de aniversario, mas gostou do parabéns. O alerta geral era com os 3 macacos travessos, que roubavam todo, principalmente óculos e maquinas fotográficas.

Dia 9 – 18 de maio – Sexta – Roatan Travessia no Caribe
Decidimos por antecipar as provas, hoje seria o revezamento.  Dividimos os tempos da Costa Rica, para que as equipes ficassem equilibradas. Na realizade a vitória estava na mão dos atletas mais lentos, se eles melhorassem, as equipes teriam mais chance.
Com o apoio da lancha do centro de mergulho, coloquei as boias nos pontos estratégicos da Ilha. Os 6 caiaques eram 0k, nos tiramos os plásticos. A Izabel era a caiaqueira principal, com o apoio de outros.
As 8:30h largamos o revezamento, equipe de 4 atletas: 1 acima de 40 anos, 1 mulher, 2 idades e s. livre, cada atleta nada 1600m.
A prova foi acompanhada de perto pela TV Caribe, Canal 27.
O que aconteceu foi, a Cilmery e a Renata, melhoram seus tempos e levaram suas equipes a vitória, a disputa mais emocionante ficou pelo terceiro lugar, o Célio Amaral, recuperou uma longa distancia e chegou colado em uma emocionante chegada que mexeu com todos os presentes!!!
Primeira parte da Travessia Internacional Fantasy Island foi feita.
A tarde fomos fazer o batismo de mergulho, o local era o melhor possível para isso. Mergulhamos em um naufrágio, a 14 metros de profundidade.
Mais tarde fomos mergulhar na barreira de coral, alguém deixou cair a mascara e o snorkel, eu mergulhei a 5 metros para buscar, por estar obstruído por uma gripe, não funcionou a compensação, passei mau, o mundo girou, com a ajuda dos amigos, cheguei na praia.
A noite vimos a reportagem pela internet.
Em um passeio a noite pelo deck de saída dos mergulhadores, vi duas barracudas de um metro de comprimento, chamei a todos para ver.

Dia 10 – 19 de maio – Sábado – Travessia no Caribe
As 8:30h  fizemos a prova de 3100 e 1600. No 3000 a Daniela e o Célio, proporcionaram a disputa, o Célio parou para dar entrevista no meio da prova!!!
Premiação após a prova.
A gerente do hotel disse que, todos do hotel estão gostando do grupo, os funcionários estão encantados!
A atração mais esperada de Roatan era nadar com golfinhos, uma experiência única na vida de todos!!!!
Seguimos a dica do Célio, fomos para West End, um lugar alegre, com viajantes, nativos, muitos bares e lojinhas!
No hotel um show da etnia garífuna .
O povo garífuna foi formado pela miscigenação de índios caraíbas e aruaques com escravos africanos. Segundo uma tradição oral coletada pelo missionário francês Raymond Breton em 1630, os aruaques migraram para as Antilhas onde conviviam com os caribs antes da chegada dos europeus. Dois navios espanhóis, com uma carga de escravos naufragou em uma das ilhas e se misturaram com os garifunas, que se refugiaram na costa do Belize e Honduras.
Dia 11 – 20 de maio – Domingo –\ Roatan \ El Salvador
Dia de relax, o ultimo mergulho na segunda maior barreira de coral do mundo.
As 14:30h, o sonho acabou! Ficará em nossas memorias e fotos! Nos despedimos com emoção dos amigos deixados no Fantasy Island.
Nos apresentamos as 14:30h.
Embarque as 17:30h para Roatan, chegamos as 19:00h em El Salvador.

5ª – Etapa – El Salvador
Era a única etapa que eu não dominava totalmente, não conhecia o hotel.
A  agencia contratada para o transfer, já nos esperava na saída do saguão.
Em um primeiro momento nos chamou a atenção a pouca luminosidade da iluminação publica e as ótimas estradas.
O hotel era bom, supriu nossas necessidades para dormir uma noite em El Salvador. Nem siamos, comemos no restaurante do hotel, boa comida.

Dia 12 – 21 de maio – Segunda Feira – El Salvador / Brasil
O melhor café da manha de toda a viagem, opinião unanime !!!
Deixamos o hotel as 8:00h, para visitarmos os Sitios Arqueológicos Maia, Joya de Ceren e San Andres.
Uma surpresa para todos os viajantes, espetacular, Joya de Ceren é o único dos sítios maias que tem casas preservadas, graças a uma erupção, as cinzas cobriram todo com 14 camadas.
Em San Andres, podemos ver uma pirâmide e um tanque de processar anil, da época colonial. Um pais pobre, com problemas com a violência, cuida muito bem de seus bens culturais, uma pena que falta dinheiro para mais escavações.   Eu já estava buscando formas de retirar El salvador do roteiro para o próximo ano, mudei de ideia, todos os viajantes gostaram muito da curta mais proveitosa passagem pelo pequeno pais.
Os viajantes ainda nem sabem, mas eu pedi ao motorista dar uma passada pelo centro da cidade, valeu, apesar do tempo curto, conhecermos o centro de San Salvador.
Um embarque tranquilo para nosso retorno!!!
Ahhhh! Quase que 5 passageiros, por causa de um ceviche peruano, perden o voo para São Paulo.

QUERO AGRADECER A OPORTUNIDADE DE COMPARTILHAR ESSES 11 DIAS COM UM GRUPO TÃO ESPETCULAR,

FOI NOSSA VIAGEM MAIS DURADOURA E COM O MAIOR GRUPO ATÉ HOJE!!!

NOS VEMOS NAS PRAIAS DO MUNDO!!!!!


9 opiniões sobre “Maio 2012 – Travessia no Caribe e Costa Rica(10ª Viagem)”

  1. Oi
    fiquei bem interessada nessa travessia.
    Vou ver com calma, mas já vou colocar no meu calendário.
    abços
    Cláudia Costa
    tel para contato 19 97734283

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Travessias, Viagens e Caminhadas

%d blogueiros gostam disto: